Hora Certa e Humana

Wilson Relojoeiro informa A hora certa e humana>

domingo, 18 de setembro de 2011

Os Sinos e o Silêncio


Os Sinos e o Silêncio por Fernando Correia de Oliveira*
Em Portugal, onde esse problema também se colocou, os relógios e os sinos foram sendo deixados, no último meio século, ao mais feroz abandono.

Se olharmos para as torres das igrejas, os relógios estão parados e os sinos não cantam. Ou… as rodas dentadas estão paradas, mas os ponteiros até andam, os sinos não se movem mas até parecem tocar. Nos bastidores há um circuito de quartzo a fazer andar o relógio e o som que se ouve é debitado por um autofalante, fruto de um programa informático, onde dezenas de melodias se armazenam. Nem o relógio nem o som têm 'alma'.Em alguns casos, os relógios já desapareceram ou deixaram de estar umbilicalmente ligados (através de cabos, travessas e martelos) aos sinos, deixando estes sós, tristes, sem jeito ou função. É o Tempo que está parado.
*Jornalista e investigador na área do Tempo, da Relojoaria e da evolução das Mentalidades a eles ligada.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Relógio Cuco H

FOTOS ANTES DA RESTAURAÇÃO


FOTOS DEPOIS DA RESTAURAÇÃO


Relógio de parede Cuco Marca H.
Serviços executados: revisão geral, ajustagem, Suspenção, haste do pêndulo e restauração da caixa.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Os Sinos e o Silêncio


Os Sinos e o Silêncio, por Fernando Correia de Oliveira*

Os primeiros relógios não têm mostrador. Servem para 'bater' as horas e não para as 'mostrar'.

Com o desenvolvimento da técnica, os sinos que davam apenas horas, passaram a dar meias horas e quartos, em tons diferentes. E, depois, começamos a falar de carrilhões, com os mecanismos de relojoaria a acionarem, a pedido ou automaticamente, melodias religiosas de louvor a Deus e ao panteão cristão.

Para que os sinos pudessem funcionar, passou a ser necessário que os relógios também funcionassem. E que alguém lhes desse regularmente corda. Com os tempos, o Sacristão ou o Monge foi-se tornando um 'bem escasso' e, hoje em dia, em praticamente todo o Ocidente, os mecanismos de dar corda dos relógios acoplados a sistemas de sinos estão automatizados, eletrificados.

*Jornalista e investigador na área do Tempo, da Relojoaria e da evolução das Mentalidades a eles ligada

Total de visualizações de página

Seguidores

Arquivo do blog